Cultura da inovação

Gestão de software

Como medir a maturidade de SAM na empresa?

Gestão de software: Como medir a maturidade de SAM na empresa?

Uma gestão de software eficiente funciona como uma poderosa ferramenta estratégica para os negócios. Os benefícios que ela traz têm impactos financeiros significativos, podendo criar a margem que a empresa necessita para aumentar os seus investimentos. Nesse sentido, saber mensurar a maturidade do Software Assessment Management (SAM) é parte fundamental do processo.

Entretanto, o assunto costuma vir acompanhado de algumas dúvidas. Afinal, o que é exatamente o SAM? Quais são as vantagens de adotá-lo na sua rotina? Como é medida a sua maturidade? Qual é o caminho a ser trilhado até uma gestão de alto nível? Se tem dúvidas sobre o tema, este post é para você. Confira!

 

O que é SAM e quais são as suas vantagens?

Também conhecido como Gestão de Ativos de Software, o SAM é uma prática de gestão que tem como objetivo otimizar os processos de compra, implementação, uso, manutenção e substituição (ou descarte) de softwares em uma organização.

Grosso modo, o SAM é aplicado para você fazer ações preventivas que visam manter o seu ambiente em governança, compliance, segurança e controle de transparência. O nível de maturidade, por sua vez, indica o quão eficiente uma empresa é na execução dessa prática.

De um lado, isso permite otimizar o investimento e mitigar riscos financeiros ou de conformidade com a lei. De outro, ela faz uma gestão mais acurada sobre o que vai comprar de software e é capaz de traçar com mais precisão um planejamento de uso e eventual descarte.

Resumidamente, o SAM promove mais transparência em relação à propriedade intelectual e às ferramentas tecnológicas da empresa, permitindo que ela tome decisões mais estratégicas e eficazes.

 

Quais são os níveis de maturidade?

A definição dos níveis de maturidade do SAM baseada no Gartner Scoring Model segue uma escala entre os níveis Caótico, Reativo, Proativo, Serviços e Valor, que diferencia as etapas de desenvolvimento desde o inventário mais básico até o ciclo completo da gestão. Veja a seguir as características de cada um.

 

Caótico

Isso significa que a empresa não tem controle ou visibilidade sobre a questão: as auditorias de software são dispersas; há ativos não documentados; as operações de TI no que diz respeito à controle de software são mínimas.

A empresa tem uma lista de ações para começar. Importante respirar fundo e usar um tempo para planejar seu próximo ciclo orçamentário, para garantir que o SAM passe a ser uma importante prioridade de negócios.

 

Reativo

A empresa tem uma organização mínima. O SAM já é importante para os negócios, mas ainda não consegue estar à frente das necessidades do dia-a-dia. A TI identifica demandas e começa a responder a elas, geralmente com o básico de políticas, métodos e ferramentas, mas se encontra com falta de recursos para se mover para o próximo nível.

 

Proativo

A TI começa a rastrear os ativos e documentá-los para controle e gestão. Este é um lugar confortável, a empresa já consegue alocar recursos para o SAM e sabe que o entendimento das tendências e gastos de propriedade de software são a chave para continuar a impulsionar inovação por toda a organização.

 

Serviço

Ferramentas, metodologias e políticas são utilizadas diariamente para gerenciar o ciclo de vida das soluções de software e a empresa percebeu que é difícil atingir sozinho o nível de inovação que deseja para impulsionar a organização.

O SAM é um processo contínuo que necessita de pessoas, ferramentas e processos, geralmente obtido com um provedor de serviços gerenciados para que a equipe de TI se concentre no que é estratégico para a organização.

 

Valor

O auge do modelo de maturidade de SAM. Equivale à operação em nível máximo, ou otimizado da TI, onde CIO, departamentos de finanças e compras são como uma máquina à todo vapor que se comunica e entende a importância do SAM – de uma perspectiva de ferramentas, pessoas e processos.

Isso significa que a TI é estratégica para a empresa e atua com base nos objetivos do negócio. Isso ajuda a elevar a organização a um nível mais alto de transformação digital – permitindo total visibilidade da sua propriedade de software no local e na nuvem.

 

Como lidar com a maturidade em SAM?

Tendo em vista os níveis de maturidade, a empresa deve assumir uma postura proativa e agir para evoluir nessa escala. Para ter sucesso nessa iniciativa, algumas etapas devem ser cumpridas. Então, o primeiro passo é medir a maturidade na gestão de ativos de software.

Passar por essas etapas pode ser um desafio para empresas que não contam com especialistas no assunto. Por isso, o retorno sobre o investimento pode ser muito maior quando a TI conta com a parceria de consultores que dominam o processo e têm experiência para lidar com a maturidade em SAM.

A SoftwareONE, por exemplo, trabalha com a gestão de ativos há mais de 30 anos, sendo a criadora da metodologia chamada Software Licence Management que deu origem ao conceito de SAM adotado pela Gartner. Consequentemente, trata-se de uma referência para a maioria das empresas que lidam com Assessment Management em todo o mundo.

Isso faz com que a SoftwareONE seja capaz de tratar do SAM de ponta a ponta, o que envolve:

  • gestão de ativos;
  • gestão de ciclo de vida do software;
  • gestão jurídica e de risco financeiro;
  • eficiência e segurança operacional;
  • otimização de custo;
  • processo e conformidade.

Com as ferramentas e práticas adequadas, a sua empresa conquista transparência na gestão; melhora o planejamento financeiro por meio da inteligência de software; garante a segurança da infraestrutura de TI; aposenta o software na hora certa; otimiza a gestão de licenças etc.

Na prática, a SoftwareONE consegue direcionar a sua empresa em um processo de transição, atuando de forma estratégica para identificar o cenário real e aconselhar sobre as formas mais efetivas de otimizar a sua gestão de ativos.

Os resultados, como você pôde ver, são significativos. Por isso, vale a pena adotar uma postura proativa e contar com a ajuda de quem mais entende de gestão de software para otimizar o SAM da sua empresa. Coloque essas dicas em prática e leve a sua empresa a um novo patamar de maturidade na TI!

Quão forte é a sua estratégia de gestão de ativos de software?

Realize agora a sua avaliação gratuita de maturidade do gerenciamento de ativos de software

Clique aqui!

Comente esse artigo

Deixe seu comentário para sabermos o que você achou desse assunto.

Deixe um comentário

Autores

Jefferson Tolentino

SLM Team Lead

Com mais de 12 anos de experiência na área de tecnologia da informação e background em serviços de consultoria, Jefferson teve experiência em projetos de grande porte para Colaboração, Produtividade, Analytics e Governança de Software. Tem como principal missão apoiar os clientes da SoftwareONE na jornada de transformação digital levando o conceito de jornada de Ciclo de Vida de Software (SLM) apoiado em consultoria de Processos, conformidade e otimização.

Artigos relacionados

software-lifecycle-management

Software Lifecycle Management (SLM): “o que os olhos não veem o budget não sente”

Não importa como você comece sua jornada SLM, você logo descobrirá que gerenciar ativos de software é mais complexo do que parece. Veja as práticas recomendadas de SLM.

Por que usar software no fim da vida útil é uma má ideia

Por que usar software no fim da vida útil é uma má ideia

É imperativo que as organizações entendam como reduzir os riscos que o software EOL representa e se preparem para atualizar as soluções que estão se aproximando de sua data de EOL. Saber mais.

Going the Distance with FinOps

Você está Preparado para Ir Longe com o FinOps?

Uma estratégia de FinOps madura leva muito tempo e conhecimento para ser desenvolvida. Eis como superar três bloqueios comuns ao criar uma estratégia de FinOps.