software-lifecycle-management

Software Lifecycle Management

Software Lifecycle Management (SLM): “o que os olhos não veem o budget não sente”

Como a SoftwareONE pode ajudar a fazer essa transição

  • 29 outubro 2021

Tem sido cada vez mais comum no mundo corporativo a adoção da disciplina de Software Lifecycle Management(SLM), ou Gestão de Ativos de Software. Segundo o Gartner, apenas 4% das organizações não uSLM e não planejam usar ferramenta SLM.

Como nada foge do princípio de Pareto, cerca de 80% das buscas por SLM acontecem pela dor, seja ela causada por uma auditoria interna, seja por uma auditoria externa, por pressões pela falta de gestão etc.

Já 20% acontecem pelo amor, isto é, por conhecer os benefícios que a gestão traz e, com eles, as grandes possibilidades de redução de custos a partir da economia e prevenção de gastos com software e otimização do ambiente. É justamente sobre esses benefícios que vamos falar neste artigo.

O que é Gestão de Ativos de Software?

Ter visibilidade e gestão do ambiente realmente é um benefício? Descobrir que existe muito mais tipos de software instalados do que se tem de licenças soa bem? Para que tratar de um assunto que nunca ninguém abordou quando tudo está funcionando normalmente?

Afinal, o que os olhos não veem, o budget não sente, e esse orçamento já é tão apertado que não precisa de mais um item na lista, não é mesmo? De acordo com o Gartner, software continua sendo um dos maiores gastos dentro das categorias de tecnologia, e representa 18% do budget, chegando a 38% com a adoção de nuvem.

Mas afinal, do que se trata realmente a Gestão de Ativos de Software? Bom, vamos começar com o conceito de ativo, algo que tenha determinado valor, que está sujeito a riscos, mas que pode trazer benefícios.

Quando trazemos esse conceito para a TI, temos como ativos o software, o hardware, serviços e sistemas, ou seja, uma ampla gama de coisas. O SLM foca diretamente o controle e gestão dos ativos de software, visando a maximizar os benefícios gerados por eles, ao mesmo tempo em que reduz os riscos.

Isso é realizado a partir de uma série de práticas, unindo pessoas, tecnologia e processos para garantir a otimização do uso de software dentro da empresa, maximizando investimentos.

Como se dá a relação com o cliente a partir da implantação de SLM?

Independentemente da forma como o cliente inicia sua jornada em SLM, logo vai perceber que gerenciar ativos de software é mais complexo do que parece. O fato é que, em algum momento, seja pela dor, seja pelo amor, será necessário fazer gestão dos ativos de software.

Isso porque, na grande maioria das vezes, existe um desconhecimento acerca da quantidade de ativos de software que estão em uso dentro de uma companhia, além da falta de controle sobre o que os próprios colaboradores estão utilizando para realizar suas atividades diárias.

Caso seja pela dor, a possibilidade de estourar o budget e, inclusive, consumir de outras áreas, é grande. Então, é mais prudente conhecer, ter visibilidade, traçar critérios e perfis e tomar ações com base em evidências do que se arriscar com o “não se mexe em time que está ganhando”.

Um simples levantamento de riscos, verificando a quantidade de produtos de software sendo utilizados sem licença dentro de uma empresa, pode demonstrar de forma simples o tamanho do prejuízo que multas e processos podem trazer por conta da falta de controle.

SLM é muito mais do que ter visibilidade dos ativos de software. É saber se gasta mais do que é preciso, se os usuários utilizam todos os sistemas que estão instalados em seus dispositivos, conhecer o perfil de uso dos usuários e suas demandas.

Por exemplo, se fazem uso avançado ou apenas consultam trabalhos criados por outras pessoas. Conhecer a exposição e assumir riscos financeiros que as auditorias podem mostrar é ter informações relevantes para tomar decisões sobre continuar no on-premises ou migrar para um SaaS, IaaS etc.

É claro que, em um primeiro momento, o uso do SLM pode assustar um cliente. Afinal, ele tomará conhecimento de vários custos não contabilizados dentro da organização. Porém, também é uma ótima ferramenta de corte de gastos, pois teremos a visão do que é necessário e do que é supérfluo.

Como é possível realizar SLM com pouco investimento?

Uma prática comum no mercado de SLM é a busca por otimizações dos gastos com software e, de forma geral, são adotados critérios para os diversos tipos de ambientes (servidores, desktops, datacenters ou nuvem) que, com a medição do uso de software (software metering), podem produzir grandes resultados em curto e médio prazo.

A maior parte das organizações conseguem gerar economias na casa dos 30% a 40% ao final do primeiro ano de execução de um projeto SLM. Isso significa 30% a 40% a mais de investimento que a área de TI passa a ter para investir em pessoas, processos e tecnologias.

Tudo isso, além do controle contínuo do uso de software, otimização dos diversos ambientes, redução de desperdícios, redução do TCO (Total Cost of Ownership), controle do inventário de software e hardware, monitoramento de contratos e licenças, maximização do ROI (Return on Investment), redução dos riscos de inconformidades, aumento da produtividade, maior competitividade, menor risco de segurança e maior governança.

A aplicação do SLM passa uma impressão errada, de que serão gerados custos extras para a empresa, mas no geral, apenas o primeiro investimento pode impactar. Logo no primeiro ano, esse valor é recuperado por conta do aumento da eficiência na utilização dos recursos de software.

Quais são as vantagens da Gestão de Ativos de Software?

As vantagens para a aplicação do SLM são várias, porém, vamos listar as principais:

  • redução de custos: minimizam-se os gastos extras com recursos de software não utilizado;
  • maior segurança: redução de riscos de multas e processos por uso de sistemas sem licença;
  • maior produtividade: aplicação de software adequado às reais demandas da empresa.

No final das contas, tudo se resume a como você enxerga os benefícios de SLM dentro da sua corporação e, mais importante, o quanto você está comprometido com a propriedade intelectual e direitos de uso dos sistemas instalados no seu ambiente.

Software Lifecycle Managementé uma disciplina que traz consigo muitos benefícios e, nos casos em que se transformam em desvantagens, acredite, estamos falando de limitações decorrentes da imaturidade, e não de SLM.

Comente esse artigo

Deixe seu comentário para sabermos o que você achou desse assunto.

Deixe um comentário

Artigos relacionados

Por que usar software no fim da vida útil é uma má ideia

Por que usar software no fim da vida útil é uma má ideia

É imperativo que as organizações entendam como reduzir os riscos que o software EOL representa e se preparem para atualizar as soluções que estão se aproximando de sua data de EOL. Saber mais.

Going the Distance with FinOps

Você está Preparado para Ir Longe com o FinOps?

Uma estratégia de FinOps madura leva muito tempo e conhecimento para ser desenvolvida. Eis como superar três bloqueios comuns ao criar uma estratégia de FinOps.

Oracle Enterprise Manager – How to Avoid Unexpected Licensing Challenges

Como Evitar Desafios Inesperados do Licenciamento de OEM

O Oracle Enterprise Manager é um conjunto de ferramentas de gerenciamento de sistemas para gerenciar o ambiente Oracle. O próprio OEM é parte da licença do Banco de Dados Oracle e não requer uma licença separada.